Textos bíblicos sobre política

-Tema: POLÍTICA
-Introdução: A terra pertence a Deus que a entregou aos seres humanos, pois “os céus são os céus do SENHOR, mas a terra, deu-a ele aos filhos dos homens” (Salmos 115.16). O homem, por sua vez, têm dado lugar a Satanás que “disse-lhe o diabo: Dar-te-ei toda esta autoridade e a glória destes reinos, porque ela me foi entregue, e a dou a quem eu quiser” (Lucas 6.4).  Mas Jesus veio como homem para retomar “toda autoridade nos céus e na terra” (Mateus 28.18). Por isso, como povo de Deus precisamos nos levantar para conquistar nossa terra buscando justiça. Leia também o estudo: Como escolher o candidato certo.

A Bíblia fala de política?

Vamos refletir alguns versículos bíblicos que se aplicam à política:

1- Cuidado ao escolher governantes

Deuteronômio 17.14-20
Quando entrares na terra que te dá o SENHOR, teu Deus, e a possuíres, e nela habitares, e disseres: Estabelecerei sobre mim um rei, como todas as nações que se acham em redor de mim,
estabelecerás, com efeito, sobre ti como rei aquele que o SENHOR, teu Deus, escolher; homem estranho, que não seja dentre os teus irmãos, não estabelecerás sobre ti, e sim um dentre eles.
Porém este não multiplicará para si cavalos, nem fará voltar o povo ao Egito, para multiplicar cavalos; pois o SENHOR vos disse: Nunca mais voltareis por este caminho.
Tampouco para si multiplicará mulheres, para que o seu coração se não desvie; nem multiplicará muito para si prata ou ouro.
Também, quando se assentar no trono do seu reino, escreverá para si um traslado desta lei num livro, do que está diante dos levitas sacerdotes.
E o terá consigo e nele lerá todos os dias da sua vida, para que aprenda a temer o SENHOR, seu Deus, a fim de guardar todas as palavras desta lei e estes estatutos, para os cumprir.
Isto fará para que o seu coração não se eleve sobre os seus irmãos e não se aparte do mandamento, nem para a direita nem para a esquerda; de sorte que prolongue os dias no seu reino, ele e seus filhos no meio de Israel.
Este texto nos ensina que o governante que devemos escolher precisa ser uma pessoa que tenha temor de Deus e que não vá se envaidecer ao ponto de usar o poder para construir um império pessoal.
O profeta Samuel advertiu severamente ao povo sobre os direitos de um governante antes de ungir seu primeiro rei (I Samuel 8.5-22). Sabemos que muito do que o profeta avisou aconteceu, mas o povo não quis dar ouvidos.
Então o candidato de um cristão deve ser uma pessoa que tenha referencial de família, experiência administrativa, modéstia quanto aos bens materiais, humildade e principalmente que se preocupe com o bem da comunidade.

2- Respeito às autoridades

Tito 3.1  
Lembra-lhes que se sujeitem aos que governam, às autoridades; sejam obedientes, estejam prontos para toda boa obra,
Romanos 13.1-5
 Todo homem esteja sujeito às autoridades superiores; porque não há autoridade que não proceda de Deus; e as autoridades que existem foram por ele instituídas.
De modo que aquele que se opõe à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos condenação.
Porque os magistrados não são para temor, quando se faz o bem, e sim quando se faz o mal. Queres tu não temer a autoridade? Faze o bem e terás louvor dela,
visto que a autoridade é ministro de Deus para teu bem. Entretanto, se fizeres o mal, teme; porque não é sem motivo que ela traz a espada; pois é ministro de Deus, vingador, para castigar o que pratica o mal.
É necessário que lhe estejais sujeitos, não somente por causa do temor da punição, mas também por dever de consciência.
I Pedro 2.13-17
 Sujeitai-vos a toda instituição humana por causa do Senhor, quer seja ao rei, como soberano, quer às autoridades, como enviadas por ele, tanto para castigo dos malfeitores como para louvor dos que praticam o bem.
Porque assim é a vontade de Deus, que, pela prática do bem, façais emudecer a ignorância dos insensatos; como livres que sois, não usando, todavia, a liberdade por pretexto da malícia, mas vivendo como servos de Deus.
Tratai todos com honra, amai os irmãos, temei a Deus, honrai o rei.
Todo cristão deve respeitar às autoridades políticas. Então antes de escolher o candidato é importante saber se é uma pessoa digna de respeito. Alguém que respeita o seu próximo, a família, à comunidade e principalmente aqueles que sofrem para lutar por justiça em seu favor.

3- O dever de orar pelos governantes

I Timóteo 2.1-3
Antes de tudo, pois, exorto que se use a prática de súplicas, orações, intercessões, ações de graças, em favor de todos os homens,
em favor dos reis e de todos os que se acham investidos de autoridade, para que vivamos vida tranqüila e mansa, com toda piedade e respeito.
Isto é bom e aceitável diante de Deus, nosso Salvador,
Como cristãos temos a tarefa de interceder pelos governantes (II Crônicas 7.14). Mas não devemos deixar isso para depois das eleições. Agora é a hora de interceder pelo povo pedindo que Deus nos dê sabedoria para escolher governantes justos.

3- Pagar impostos

Lucas 20.25
Dai, pois, a César o que é de César e a Deus o que é de Deus.
Romanos 13.6,7 
Por esse motivo, também pagais tributos, porque são ministros de Deus,
atendendo, constantemente, a este serviço. Pagai a todos o que lhes é devido: a quem tributo, tributo; a quem imposto, imposto; a quem respeito, respeito; a quem honra, honra.
O cristão deve saber que é seu dever pagar impostos. Sabemos que as taxas cobradas atualmente são altas e por isso precisamos saber qual a proposta de arrecadação para seu governo.

4- Leis justas

Isaías 10. 1-2. 
“Ai dos que decretam leis injustas e dos escrivães que escrevem perversidade para prejudicar os pobres em juízo e para arrebatarem os direitos dos aflitos do meu povo, para despojarem as viúvas e para roubarem os órfãos.”
Salmos 94.20 
Pode, acaso, associar-se contigo o trono da iniquidade, o qual forja o mal, tendo uma lei por pretexto?
É preciso estudar o plano de governo do candidato para ver suas propostas para os problemas da sociedade. Quais leis esta pessoa defende e qual seu princípio ético e moral são fatores determinantes antes de escolher um candidato. Por exemplo, deve-se perguntar o que a pessoa acha do aborto, casamento gay e outros temas polêmicos.

5- Justiça

Levíticos 19.15 
Não farás injustiça no juízo, nem favorecendo o pobre, nem comprazendo ao grande; com justiça julgarás o teu próximo.
Levíticos 19.35 e 36. 
Não cometereis injustiça no juízo, nem na vara, nem no peso, nem na medida.
Balanças justas, pesos justos, efa justo e justo him tereis. Eu sou o SENHOR, vosso Deus, que vos tirei da terra do Egito.
Provérbios 29.12
Se o governador dá atenção a palavras mentirosas, virão a ser perversos todos os seus servos.
Você precisa escolher alguém que realmente te represente no governo. Muitos pessoas entram na política com boas intenções, mas depois se corrompem. Ainda há outros que fazem tantas promessas que são impossíveis de ser cumpridas. É muito importante saber com quem o candidato faz aliança, pois mesmo que seja uma pessoa boa, pode estar mal assessorado ou se prender a pessoas injustas.

6- Pobreza

Deuteronômio 15.11
Pois nunca deixará de haver pobres na terra; por isso, eu te ordeno: livremente, abrirás a mão para o teu irmão, para o necessitado, para o pobre na tua terra.
Provérbios 14.31
O que oprime ao pobre insulta aquele que o criou, mas a este honra o que se compadece do necessitado.
O candidato precisa ter propostas que atendam toda a sociedade, contudo é indispensável que contemple os mais desfavorecidos. Se seu plano de governo não for amplo o suficiente para atingir os pobres, então é limitado. Um governo que não lutar para melhorar a situação do pobre pode fazer que o rico se empobreça.

7- Perfil de um governante

2 Samuel 23.3,4
Disse o Deus de Israel, a Rocha de Israel a mim me falou: Aquele que domina com justiça sobre os homens, que domina no temor de Deus,
é como a luz da manhã, quando sai o sol, como manhã sem nuvens, cujo esplendor, depois da chuva, faz brotar da terra a erva.
Provérbios 29.2  
Quando se multiplicam os justos, o povo se alegra, quando, porém, domina o perverso, o povo suspira.
Baseado nestas palavras, entendemos que um governante de acordo com a vontade de Deus deve ter:
-JUSTIÇA: não assistencialismo ou ajuda a pessoas particulares. O governante deve lutar por toda a comunidade fazendo justiça. Nada adianta ajudar um ou outro e cometer injustiças.
-TEMOR: deve ser uma pessoa de respeito e princípios morais e religiosos. Independente da igreja demonstre ser uma pessoa temente a Deus. Certamente você não escolheria uma pessoa incrédula ou umbandista, por exemplo, para te representar no governo.

8- Patriotismo

2 Samuel 10.12
Sê forte, pois; pelejemos varonilmente pelo nosso povo e pelas cidades de nosso Deus;
e faça o SENHOR o que bem lhe parecer.
Todos precisaram demonstrar amor por sua terra. Um candidato a cargo político deve ser alguém que realmente goste do lugar que viva para governar seu povo. Um prefeito ou vereador, por exemplo, não pode ser eleito para representar uma cidade ou bairro que não gostaria de morar.

9- Os Deveres Civis

“Todo aquele que não observar a lei do teu Deus e a lei do rei...” Ed 7.26
“Observa o mandamento do rei...” Ec 8.2
“Não amaldiçoarás o príncipe do teu povo.” Ex 22.28
“Não amaldiçoes o rei.” Ec 10.20
“A autoridade é ministro de Deus para teu bem... a quem respeito, respeito; a quem honra, honra.” Rm 13.4,7
“Tratai a todos com honra, amai aos irmãos, temei a Deus, honrai ao rei.”  1Pe 2.17
Os deveres civis de todo cidadão devem ser cumpridos para o bem da sociedade. Quando o povo respeita às autoridades e principalmente abençoa seus governantes, a paz reina sobre a terra. Não adianta querer que o governo seja honesto se o povo não o for.

Ore antes de escolher seu candidato!

-Conclusão: Muito mais do que sobre governo ou política, a Bíblia nos ensina muito sobre cidadania e justiça.
Alguns conselhos para escolher um candidato:
            -procure saber sobre sua história de vida;
            -suas propostas para a sociedade;
            -pergunte se entende qual a função do cargo que se candidata;
            -procure saber seus princípios morais e religiosos;
            -veja se é uma pessoa de família;
            -descubra com quem esta pessoa tem alianças políticas;
            -qual o parecer sobre assuntos polêmicos como aborto e homossexualismo;
            -a filosofia do partido do candidato;

O que não fazer nas eleições:
            -não vote em branco ou nulo;
            -não troque favores ou venda seu voto;
            -não faça escolha baseado em amizade ou família apenas;
            -nunca se comprometa com o que não pode garantir;

Lembre-se que você está representando seu povo e decidindo o futuro de nossa terra.

Vamos orar e escolher conscientemente!


Pr. Welfany Nolasco Rodrigues Publicado por Pr. Welfany Nolasco Rodrigues

Pastor Metodista e pregador do evangelho. Escritor de esboços e sermões. Formação: Bacharel em Teologia pela UMESP - Universidade Metodsita de São Paulo.
Siga Google+.

9 comentários:

  1. Bom dia e parabéns!
    Foi de muito valor para minha vida.
    Gostaria de receber no meu Email:rb.festas@hotmail.com.
    Poderei ajudar várias pessoas.
    Abraços, que Deus continue a te usar.
    Rosimar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. muito bom tava precisando ouvir esses ensinamente, muito obrigado. meu nome é cristiano

      Excluir
  2. Muito bom seu estudo. Passagens bem explicadas.

    ResponderExcluir
  3. Uma coisa bem interessante que não paramos para pensar é a falta de coletividade e ausência do Estado (governos e políticos) nas escritas de religiões monoteístas. O que seria isto? O catolicismo, por exemplo, trata o assunto governo de forma bem superficial e como se fosse "pecado" pensar em impostos e em sistemas políticos. Agora como um povo que queira o bem comum, o avanço em tecnologia, a saúde e a educação pode abolir a politização? Papa Francisco, de forma até sensacional e inovadora, falou a seguinte frase: Os cristãos não podem se fazer de Pilatos, lavar as mãos: Devemos implicar-nos na política, porque a política é uma das formas mais elevadas da caridade, visto que procura o bem comum. Na minha opinião, há de haver algum outro registro da passagem de Jesus Cristo sobre a política e bem comum. A própria bíblia foi algo manipulado pelos papas iniciais... Pois, entra em rota de colisão com a questão do egoísmo da salvação individual e não coletiva, ou não? Ou, seria mais uma forma de termos pessoas mais manipuláveis para os governantes?
    Referência:
    http://www.bibliaon.com/politica/

    ResponderExcluir
  4. Estou a me perguntar porque Paulo em romanos:13:1-5 diz que toda autoridade Deus é quem institui, será que ate os ladrão Deus é quem os colocou lá, muitos deles não se tornaram ladrão no trono político mais já eram ladrão antes de entrarem lá, aqui na África muitos dos presidentes alcançaram poder com golpes de estado matando o outro. e mesmo assim a governação ficou pior. será que Paulo não estava a referir-se ao lideres Cristão em vez de lideres políticos. ou então não será que a Igreja católica e os concilio a adulteraram as passagens visto que eles eram os políticos e ao mesmo tempo os lideres religiosos.digamos que seja mesmo Deus que mandou honrar os políticos usurpadores e ladrão. como então João Baptista criticava seriamente o rei Herodes em Mateus 14:3-4? e porque Jesus não obedeceu Herodes quando lhe mando não pregar mais na Galileia e ainda por cima o chamou de raposa em Lucas:13:31-32. em Timóteo:2:1-3 Paulo disse para orarmos para os governantes. como vou pedir para o Espírito santo excitar um dado governante a fazer o bem se este governante não ter o próprio espírito dentro dele, como deus vai falar com ele vai ouvir Deus falar se ele não é senciente ao espírito santo. eu posso entender que a oração para os governantes deve ser feito antes das eleição e não depois de ser eleito se este não for cristão. tenho dito ( graça e paz Osvaldo de África)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito boa a sua observação, as pessoas não param para interpretar o texto da Bíblia, tem medo de questionar, achando que estais a pecar. Mas compartilho com você sobre a veracidade desse texto, e acho que foi colocado por conveniência pela dura pena do escriba a mando dos líderes religiosos da época. Mas como disse, nem todos compartilham essa opinião por medo, submissão, servidão não a Deus mas a sua instituição religiosa e outras questões.

      Excluir
  5. Entre os conselhos pra se escolher o candidato está:
    Saber o parecer sobre aborto e homosexualismo...
    Digamos que ele seja contra.
    Terá esse governante o direito de excluir da sociedade quem aborta ou é homossexual?
    Que eu saiba, Jesus ao passar por esse mundo não excluiu. Mas ele ensinaria ser diferente?

    ResponderExcluir
  6. Lucas Soares.
    Este estudo é muito fraco, pois é tendencioso e reflete a vontade humana e não de Deus. Está bem avisado para o povo de Deus que este não deveria fazer alianças politicas com povos estranhos, a saber naquela ocasião com os pagãos, dado que eram povo sem afeição a Deus, com um sistema já consolidado e viciado. Deus sabia que uma aliança politica iria contaminar os costumes que ele introduziu em meio ao seu povo, para este ser diferente. Deus disse que tais alianças trariam maldições. Hoje este ensinamento está bem longe da pureza do evangelho, pois os lideres são corruptos e amantes de dinheiro, e o relacionamento que tais pastores tem com Deus é apenas um relacionamento anímico, estão expostos a vaidade da carne. Um bom e puro pastor não se envolve politicamente e não faz alianças partidárias, ensina suas ovelhas a verdade sem interesses pessoais, não se importam com popularidade e não vivem uma vida religiosa como regra de salvação. Esta geração está perdida, afastada de Deus, e as suas atitudes revelam a verdade de suas almas.
    Pr Lucas Silva.

    ResponderExcluir
  7. Lucas Soares.
    Este estudo é muito fraco, pois é tendencioso e reflete a vontade humana e não de Deus. Está bem avisado para o povo de Deus que este não deveria fazer alianças politicas com povos estranhos, a saber naquela ocasião com os pagãos, dado que eram povo sem afeição a Deus, com um sistema já consolidado e viciado. Deus sabia que uma aliança politica iria contaminar os costumes que ele introduziu em meio ao seu povo, para este ser diferente. Deus disse que tais alianças trariam maldições. Hoje este ensinamento está bem longe da pureza do evangelho, pois os lideres são corruptos e amantes de dinheiro, e o relacionamento que tais pastores tem com Deus é apenas um relacionamento anímico, estão expostos a vaidade da carne. Um bom e puro pastor não se envolve politicamente e não faz alianças partidárias, ensina suas ovelhas a verdade sem interesses pessoais, não se importam com popularidade e não vivem uma vida religiosa como regra de salvação. Esta geração está perdida, afastada de Deus, e as suas atitudes revelam a verdade de suas almas.
    Pr Lucas Silva.

    ResponderExcluir

Deixe um comentário sobre o que achou desta pregação.
IDENTIFIQUE-SE por favor., colocando seu nome no comentário.
Muito obrigado por participar!

Quem sou eu

Minha foto

Tenho prazer em meditar na Palavra de Deus.
Escrevo textos e reflexões sobre as Escrituras.
Direitos autorais protegidos:
Protected by Copyscape Online Plagiarism Detector

Seguidores

Pregações por email

Livro

Livro
E-books do Pr. Welfany Nolasco
Powered by Blogger.