Voltando à Igreja Primitiva

-Tema: IGREJA
Atos 2.42-47 e 4.31-35
-Introdução: As primeiras gerações de cristãos, até o segundo século é conhecida como a Igreja Primitiva. Jesus é a Cabeça (Efésios 5.23) e a Igreja é o seu Corpo (I Coríntios 12.27). Então se a Cabeça é a mesma, o corpo também permanece, ou seja, a Igreja que está ligada em Jesus Cristo, o Senhor.
O livro de Atos dos Apóstolos traz palavras chave que são repetidas no texto ou estão implícitas em seu conteúdo. Baseado nestas palavras, podemos perceber qual era a ênfase da Igreja Primitiva. Se voltarmos a estes princípios, podemos nos aproximar da realidade vivida pelos primeiros cristãos.

É possível voltar à Igreja Primitiva?

Vamos refletir sobre as características principais da Igreja Primitiva baseando nas palavras chave do texto grego no livro de Atos:

1- DOUTRINA = Didaquê:

Atos 2.42 “E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, no partir do pão e nas orações”.
A Didaqué ou Didachê (didaxh/) é ensino ou a doutrina1 da Igreja Primitiva. Existe um documento histórico chamado Didaqué que contém as orientações principais sobre a Igreja e a fé cristã de modo geral destinada ao ensino de novos convertidos. Este texto foi escrito entre 96 e 100 d.C. e foi preservado como prova do cuidado que os primeiros cristãos tinham com sua doutrina. Uma tradução da Didaqué pode ser vista AQUI.
Esta primeira palavra mostra que a Igreja estava baseada na “doutrina dos apóstolos” e não em novidades, modismos teológicos, costumes denominacionais ou opiniões individuais. Não existe outro alimento para a Igreja senão a Palavra de Deus (Mateus 4.4).
A Igreja assumia sua missão que Jesus deixou para “ensinar todas as coisas” (Mateus 28.20). Isso nos faz lembrar a ‘era da Escola Dominical’, período em que as igrejas evangélicas eram marcadas pelo estudo da Bíblia e formavam comunidades robustas, bem como cristãos preparados. Com o enfraquecimento da Escola Bíblica, muitas igrejas também enfraqueceram. Enquanto isso, percebemos muitas seitas que preparam seus fiéis com estudos e capacitação, por isso estão avançando cada vez mais.
Se quisermos voltar à Igreja Primitiva, também precisamos retornar às Escrituras, como disse Martinho Lutero: “somente a Bíblia” (Sola Scriptura) é suficiente para o conhecimento da Salvação. Uma Igreja verdadeira precisa estar baseada na Palavra de Deus.
A Igreja precisa voltar ao ensino da Palavra de Deus!

ASSISTA:

2- PODER = Dynamus:

Atos 2.43 “E em toda a alma havia temor, e muitas maravilhas e sinais se faziam pelos apóstolos”.
A palavra poder é o termo Dynamus (du/namiv)2 que significa virtude, domínio ou capacidade sobrenatural. O poder do Espírito Santo proporcionava que sinais, milagres e prodígios acontecessem com frequência comum (Atos 5.12).
Sem dúvida alguma, a força da Igreja Primitiva era o poder espíritual prometido por Jesus “recebereis poder ao descer sobre vós o Espírito Santo” (Atos 1.8). Sem este poder a Igreja se torna fraca e impotente.
Com o passar do tempo, durante a história a Igreja começou a buscar outros poderes, ou seja, com a institucionalização interna, a Igreja estabeleceu poderes e cargos dentro de sua estrutura e externamente, a Igreja se tornou poderosa e reconhecida no mundo. Com isso, muitas vezes a Igreja deixou de buscar e depender somente do poder espiritual para usar de seus artifícios como seus títulos e influência social.
Infelizmente muitas igrejas começam buscando o poder do Espírito e com o tempo começam a prosperar, passando a estabelecer seus próprios poderes internos, além de fazer alianças políticas em busca de poder perante a sociedade. Consequentemente o poder espiritual se esfria.
A Igreja precisa voltar a buscar somente o Poder do Espírito Santo!

3- COMUNHÃO = Koinonia:

Atos 2.44 “Todos os que creram estavam juntos e tinham tudo em comum”.
A Koinonia (koinwni/a) significa “tudo em comum”3 com sentido de comunhão. A comunhão é comum + união ou união comum. Esta vida em conjunto entre os irmãos primitivos era uma marca visível da Igreja. Não se viam cristãos solitários, sempre estavam juntos.
A forma de cuidado entre os irmãos na Igreja primitiva, chamada de poimênica (poimh/n) 4, que é o cuidado pastoral, fazia que todos procurassem apoiar uns aos outros e procurar quem precisasse de ajuda. Com isso, todos os cristãos eram assistidos pastoralmente, não somente pelos apóstolos, mas por todos os irmãos, formando uma rede de apoio e cuidado.
Sua unidade era tão intensa ao ponto de ser “um o coração e a alma da multidão dos que criam, e ninguém dizia que coisa alguma do que possuía era sua própria, mas todas as coisas lhes eram comuns” (Atos 4.32). Não apenas estavam reunidos, mas realmente unidos ao extremo de compartilhar tudo em comum.
Todos os domingos a Igreja estava reunida para partir do pão celebrando a comunhão na Santa Ceia do Senhor, mas todos os dias estavam juntos quando “partiam o pão de casa em casa” (Atos 2.46)
Um dos desafios para a Igreja atual é romper as barreiras de separação entre as pessoas. Jesus prometeu estar junto conosco onde pelo menos “dois ou três” estivessem em união (Mateus 18.20), e a bênção de Deus é ordenada onde há unidade (Salmos 133.1-3). A oração sacerdotal de Jesus pela Igreja foi para que vivêssemos em união “para que o mundo creia” (João 17.21).
Se quisermos retornar à Igreja Primitiva, precisamos deixar de lado nossas opiniões e tudo mais que possa nos separar das pessoas para viver em comunhão. A Igreja precisará aliviar sua estrutura com hierarquias que separam as pessoas que equiparar todos como irmãos além de minimizar o ativismo com excesso de programações priorizando a convivência entre as pessoas com seu próximo.

4- SERVIÇO = Diakonia:

Atos 2.45 “Vendiam suas propriedades e bens, distribuindo o produto entre todos, á medida que alguém tinha necessidade”.
A Diakonia (diakoni/a) é o serviço5 da Igreja para com as pessoas. O Diácono é o servo ou auxiliar dos ministérios da igreja. O próprio culto era considerado um serviço ou trabalho, baseado na palavra Leitourgia (leitourgi/a)6 que é a liturgia, que tem sentido de serviço de um criado ou pessoa inferior.
A Igreja prestava serviço à sociedade provendo socorro para os necessitados. Entre os irmãos nenhum necessitado havia entre eles, porquanto os que possuíam terras ou casas, vendendo-as, traziam os valores correspondentes e depositavam aos pés dos apóstolos; então, se distribuía a qualquer um à medida que alguém tinha necessidade” (Atos 4.34,35). Seu serviço ou ministério era radical ao ponto de abrirem mão de tudo em prol do amor ao próximo.
Para não correr o risco de deixar pessoas sem assistência, os apóstolos promoveram uma eleição de diáconos que seriam literalmente servidores da igreja. Na eleição dos diáconos os apóstolos orientaram: “Escolhei, pois, irmãos, de entre vós, sete varões de boa reputação, cheios do Espírito Santo e de sabedoria, aos quais constituamos sobre este importante negócio” (Atos 6.3). Diáconos deviam ser homens de boa reputação sempre prontos para o trabalho da Igreja (I Timóteo 3.8-13).
Se quisermos voltar à Igreja Primitiva, precisamos passar a nos dedicar mais a quem está fora da Igreja sem deixar de atender aos irmãos que estão perto de nós. Como igreja, devemos assumir nossa verdadeira missão ao invés de investir todo nosso esforço na construção de templos ou quaisquer outras atividades. A Igreja pode ser útil servindo a sociedade mostrando em prática o amor cristão.
A Igreja precisa voltar a servir a sociedade!

5- GRAÇA = Charis

Atos 2.46,47 “Diariamente perseveravam unânimes no templo, partiam o pão de casa em casa e tomavam suas refeições com alegria e singeleza de coração. Louvando a Deus e contando com a simpatia de todo o povo. Enquanto isso, acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos”.
A graça (xa/riv)7 tem sentido de prazer, favor, generosidade, doação, gratuidade e amor incondicional entre tantos significados maravilhosos desta palavra. A graça é o presente de Deus doado por nós (II Coríntios 8.6, 19). O carisma é o amor em forma de poder do Espírito Santo que comove a Igreja a agir através desta graça.
A Igreja Primitiva dependia tão somente da Graça de Deus para tudo. Não tinham influência, eloquência, estruturas ou qualquer outra coisa. Entretanto a superabundante graça sempre foi o suficiente (II Coríntios 12.7).
A graça é o perdão de Deus para o pecador (Atos 14.26). Por isso os cristãos transmitiam graça até mesmo no meio das perseguições (Atos 7.10). Eles se cumprimentavam anunciando a graça e a paz (Atos 15.23). Através da Graça, manifestavam sua “alegria e singeleza de coração” (Atos 2.46) e simpatia (Atos 2.47) com as pessoas.
Com o crescimento da Igreja, esta passou a agir baseado no seu próprio conhecimento e confiou em sua própria força. Infelizmente, muitas igrejas deixaram a Graça que Jesus ordenou: “de graça recebestes, de graça dai” (Mateus 10.8), passando a cobrar pelo que faz ou induzir os fiéis a doar pensando em receber algo em troca. Isso fez que surgisse uma igreja ‘sem graça’. Para voltar à Igreja Primitiva, precisamos fazer tudo de forma gratuita e por amor dependendo sempre da misericórdia e bondade de Deus.
A Igreja precisa voltar a fazer tudo pela Graça!

6- PREGAÇÃO = Kerigma

Atos 4.31 “tendo eles orado, tremeu o lugar onde estavam reunidos, todos ficaram cheios do Espírito Santo, e com intrepidez, anunciavam a palavra de Deus”.
A pregação do evangelho era o centro da missão dos cristãos primitivos. Esta mensagem é expressa pela palavra kerigma (kh/rugma)8 que significa “proclamação por arauto”, que é o anúncio da Palavra de Deus.
Esta mensagem está ligada a outras três palavras usadas muito usadas pelos cristãos primitivos em Atos:
-LOGOS (logov): É a Palavra viva e encarnada (João 1.1 e 14). Jesus é a origem de toda a pregação cristã.
-METANÓIA (Meta/noia) = “mudança de mente”9: a mesma anunciada por João Batista e Jesus quando pregavam “arrependei-vos” (Mateus 3.2; 4.17; Atos 2.38; 3.19), dizendo Metanóia com sentido de arrependimento e conversão.
-EVANGELHO (eu0agge/lion)10: o conteúdo da pregação era as boas novas de salvação em Jesus Cristo.
 Pedro havia feito sua primeira pregação após o Pentecostes (Atos 2.14-). O fruto desta mensagem foram três mil pessoas batizadas. Os que ouviam sentiram o coração arrependido como se estivessem transpassados (Atos 2.37) pela Espada de dois gumes da Palavra de Deus (Hebreus 4.12). A pregação da Igreja é transformadora.
Os primeiros cristãos e os apóstolos seguiam pregando o reino de Deus, e ensinando, com toda a liberdade, as coisas pertencentes ao Senhor Jesus Cristo, sem impedimento algum” (Atos 28.31). Esta pregação do kerigma traz vida para as pessoas. Faz sentido para sua experiência pessoal e muda tudo.
Para voltar à Igreja Primitiva devemos priorizar a pregação como anúncio da Palavra de Deus. Se formos analisar, a igreja gasta muito tempo com outras coisas como música, apresentações, avisos e tantas atividades e muito pouco de pregação. A missão deixada por Jesus para nós foi “ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura” (Marcos 16.15).
A Igreja precisa voltar a Pregar o evangelho!

7- TESTEMUNHO = Martyria

Atos 4.33 “E os apóstolos davam, com grande poder, testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e em todos eles havia abundante graça”.
O testemunho vem da palavra Martyria (marturi/a)11 com significado de depoimento ou declaração de ser uma testemunha. Os mártires (martuv) era “aqueles que dão testemunho por sua morte”12. Os cristãos primitivos estavam dispostos a morrer para nunca negar sua fé.
Uma das bases da ousadia destes mártires era a sua fé na ressurreição dos mortos, por isso estavam dispostos a morrer crendo que ressuscitariam com Jesus. Além disso, queriam ser como seu Mestre, então consideravam uma honra morrer como Jesus.
Estêvão foi o primeiro mártir da igreja (Atos 7.44), pois isso “o sangue de Estêvão, tua testemunha” ou mártir (Atos 22.20), foi o início de um tempo de intensa perseguição aos cristãos. Estes valentes formam a galeria dos Heróis da fé que não temeram morrer (Hebreus 11.32-40).
Alguns testemunhos marcantes como o de Policarpo, bispo de Esmirna e provável discípulo do apóstolo João. Quando foi posto na fogueira para seu martírio, Policarpo disse que acenderiam um fogo que se apagaria, mas o fogo do juízo eterno jamais se apagará13. Tertuliano de Cartago declarou ao morrer que “o sangue dos mártires é a semente da Igreja” 14, referindo-se ao crescimento do cristianismo em meio à perseguição. A Coréia do Sul vive um grande avivamento nos dias atuais, mas muitos pregadores morreram por isso.
A falta de testemunho é um grande empecilho para a igreja atual. Por causa de qualquer problema as pessoas abandonam sua igreja e os votos de fidelidade a Deus quando aceitaram a Jesus ou foram batizadas. Em contrapartida, os cristãos primitivos estavam dispostos a morrer sem negar sua fé.
Para voltar à Igreja Primitiva será preciso investir no testemunho e formação do caráter cristão. A Igreja deve ser mais criteriosa na escolha de seus líderes que são formadores de novos crentes. O mundo não precisa ver nossa música, nossos templos ou eventos gospel, mas o nosso testemunho de vida.
A Igreja precisa voltar ao testemunho de sua fé!

Voltemos à Igreja Primitiva!

-CONCLUSÃO:

A distância entre os primeiros cristãos e a igreja atual não é somente o tempo de aproximadamente dois mil anos15. Parecer que tudo mudou. Mas se a Palavra de Deus ainda é a mesma e o próprio Jesus não muda (Hebreus 13.8), então não podemos perder esta força da Igreja Primitiva.
O caminho de volta é o retorno ao ciclo formado pelas palavras que mostram a rotina da primeira igreja: doutrina, poder, comunhão, serviço, graça, pregação e testemunho. Sendo assim, a Igreja estará capacitada pelo ensino, cheia de poder, fortalecida em comunhão, ocupada trabalhando para o Reino de Deus, manifestado e dependendo da Graça, anunciando a pregação do Evangelho e com bom testemunho de vida.
É possível voltar à Igreja Primitiva!

______________________________
* Citações Bíblicas: Bíblia Revista e Atualizada, Sociedade Bíblica do Brasil.
1 VINE, W.E., Merril F. Unger e William White Jr. Dicionário Vine. Rio de Janeiro: CPAD, 2006 – 7ª edição. Página 579.
2 IDEM. Página 879.
3 IDEM. Página 485.
4 IDEM. Página 856.
5 IDEM. Páginas 990 e 991.
6 IDEM. Página 990.
7 IDEM. Página 679, 680.
8 IDEM. Página 892.
9 IDEM. Páginas 415,416.
10 IDEM. Página 629.
11 IDEM. Página 1020.
12 IDEM. Página 1021.
13 FOX, John. O livro dos mártires. São Paulo: Mundo Cristão, 2003. Página 30.
14 BERCOT, David W. O desafio da igreja atual à luz da igreja primitiva.PDF(http://www.aigrejaprimitiva.com/igrejaprimitivaXaigrejaatual.pdf). Página 9.
15 RODRIGUES, Welfany Nolasco. A evangelização na igreja primitiva. Belo Horizonte: Filhos da Graça, 2015. Página 70-74.



Uma pesquisa histórica que analisa a prática da evangelização cristã até o final do segundo século, buscando descobrir elementos da organização da Igreja, dos modelos de discipulado e de capacitação dos novos convertidos e das lideranças cristãs. A questão de fundo é como se dava a evangelização e o crescimento da igreja a partir dos primeiros cristãos com reflexões para a Igreja contemporânea.

 88 páginas 14x21
Adquira o Livro:

Pr. Welfany Nolasco Rodrigues Publicado por Pr. Welfany Nolasco Rodrigues

Pastor Metodista e pregador do evangelho. Escritor de esboços e sermões.
Formação: Bacharel em Teologia pela UMESP - Universidade Metodista de São Paulo.
Pós Graduação em Filosofia pela ISEIB - Instituto Superior de Educação Ibituruna.
Licenciatura em Letras pela ISEED - Instituto Educacional Elvira Dayrell.
Extensão em Grego Bíblico pela MACKENZIE - CPAJ.
Siga Google+.

Um comentário:

Deixe um comentário sobre o que achou desta pregação.
IDENTIFIQUE-SE por favor., colocando seu nome no comentário.
Muito obrigado por participar!

Quem sou eu

Minha foto

Tenho prazer em meditar na Palavra de Deus.
Escrevo textos e reflexões sobre as Escrituras.
Direitos autorais protegidos:
Protected by Copyscape Online Plagiarism Detector

Seguidores

Pregações por email

Livro

Livro
E-books do Pr. Welfany Nolasco
Powered by Blogger.