A doutrina da Trindade

Tema: ESTUDO BÍBLICO

Trindade Pai Filho Espírito Santo

2 Coríntios 13.13 “A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vós.”

Introdução: A doutrina da Trindade é um dos primeiros e mais importantes pontos da fé cristã e por isso precisamos compreender biblicamente o seu significado. Uma das primeiras características das  heresias e seitas é que não acreditam ou deturpam o significado da Trindade. Por isso é indispensável estudar e ensinar sobre esta base da fé através da Palavra de Deus.

Uma boa ilustração para tentar entender a Trindade é a fórmula da água H2o, que embora possa estar no estado líquido, sólido (gelo) ou gasoso (vapor), sempre será a mesma água.

Acima de tudo, para entender o mistério da Trindade é preciso ter fé, porque as explicações serão insuficientes se a pessoa não acreditar no Deus verdadeiro.



Como entender a Trindade?

Vamos refletir na Palavra de Deus sobre o significado da Trindade:

 

1- Origem da Trindade

A palavra Trindade foi formada com o tempo pelos primeiros cristãos para definir a fé em um Deus que se manifesta em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo. O termo Trindade é uma definição teológica, que tem sua fundamentação na Bíblia, embora não esteja escrita literalmente nas páginas das Escrituras Sagrada.

Durante os três primeiros séculos do cristianismo, os primeiros teólogos chamados de Pais da Igreja discutiram os temas importantes da doutrina cristã, como o conceito da Trindade. Atribui-se a Tertuliano, que viveu entre 160 a 225 d.C. a primeira citação escrita da palavra Trindade. No Concílio de Nicéia em 325 d.C. foi concluída a formatação das doutrinas essenciais do cristianismo, dentre elas a Trindade, como uma das definições mais essenciais da fé cristã.

 

2- Bases Bíblicas para Trindade

A Trindade pode ser comprovada biblicamente com várias citações:


a) A Trindade no Antigo Testamento

Gênesis 1.26ª “Também disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança...”

Na Criação do homem, Deus se manifesta referindo-se a si mesmo no plural. O primeiro nome ou palavra para designar Deus na Bíblia é Elohim (אֱלֹהִ֑ים) que é o plural de El (אֱל)*, que significa Deus, mas que também pode ser traduzido por Deuses, ou seja, que não está sozinho. O mesmo plural é usado quando Deus decide impedir a construção da Torre de Babel (Gênesis 11.7). A semelhança do homem com Deus também pode ser comprovada porque somos uma trindade com “espírito, alma e corpo” (I Tessalonicenses 5.23).

Gênesis 18.1,2 “Apareceu o Senhor a Abraão nos carvalhais de Manre, quando ele estava assentado à entrada da tenda, no maior calor do dia. Levantou ele os olhos, olhou, e eis três homens de pé em frente dele. Vendo-os, correu da porta da tenda ao seu encontro, prostrou-se em terra”.

O encontro de Abraão com Deus se manifesta claramente em três pessoas e eles comem três pães (Gênesis 18.6-8), então Deus anuncia o nascimento de Isaque (Gênesis 18.9-15),  destruição de Sodoma e Gomorra (Gênesis 18.16-21) e Abraão intercede ao Senhor pela salvação do povo (Gênesis 18.22-33). Diferentemente quando Ló foi resgatado de Sodoma Deus mandou dois anjos (Gênesis 19.1).

Isaías 6.8 “Depois disto, ouvi a voz do Senhor, que dizia: A quem enviarei, e quem há de ir por nós? Disse eu: eis-me aqui, envia-me a mim.”

Quando o profeta Isaías recebeu o seu chamado, novamente Deus fala no plural e os anjos estavam cantando três vezes “Santo, Santo, Santo” (Isaías 6.8). Esta manifestação da glória de Deus enchendo o templo, com adoração e o chamado profético nos revelam a presença da Trindade.


b) A Trindade no Novo Testamento

Mateus 28.19 “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo”.

As palavras do próprio Jesus, com o mandato para pregar o evangelho fazendo discípulos, juntamente com a fórmula do batismo ‘em nome do Pai do Filho e do Espírito Santo’, revela claramente a fé na Santa Trindade.

2 Coríntios 13.13 “A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vós.”

A bênção apostólica, repetida várias vezes pelo apóstolo Paulo em formatos diferentes, também revela a fé na Trindade. Esta bênção é comumente ministrada ao encerramento de cultos oficiais nas igrejas.

I João 5.7,8 “Pois há três que dão testemunho [no céu: o Pai, a Palavra e o Espírito Santo; e estes três são um. E três são os que testificam na terra]: o Espírito, a água e o sangue, e os três são unânimes num só propósito”

Quando o apóstolo João fala dos três que dão testemunho no céu, o Pai é Deus, a Palavra é Jesus, o verbo que se fez carne (João 1.1) e o Espírito Santo de Deus. Já quando diz que três dão testemunho na terra são o mesmo Espírito derramado sobre nós, a água como símbolo do batismo e o sangue de Jesus que nos liberta do pecado (1 João 1.7-9).

 

A revelação de Deus no Antigo Testamento enfatiza o Senhor Criador de todas as coisas, até que no Novo Testamento o Filho Jesus Cristo é enviado para nos salvar e o Espírito Santo se derrama sobre a Igreja.

Outros textos do Novo Testamento que falam da Trindade juntamente: Lucas 1.35; João. 14.26; Romanos 1.4; 15.30; 2 Coríntios 13.13; 1 Tessalonicenses 1.3-6; I Pedro 1.2.

 

3- Equívocos a respeito da Trindade

Alguns pensamentos equivocados a respeito da Trindade são:


a) Influência pagã

As seitas que não acreditam na Trindade afirmam que esta doutrina tem origem em religiões pagãs como os cultos egípcios antigos que tinham três deuses, contudo, a Palavra de Deus vem muito antes de todas as culturas e não haveria porque copiar de outras religiões. Não somos politeístas (que acreditam em vários deuses), mas somos monoteístas, cremos em um só Senhor (Êxodo 20.3; Deuteronômio 4.35; Isaías 45.14Efésios 4.3-6) que se manifestou em três pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo.


b) Adoração a Maria

Um dos maiores equívocos sobre a doutrina da Trindade é a inserção de Maria como intercessora e até mesmo acima de todos, como mãe de Deus. Se Maria tiver o status de mãe de Deus, então estaria acima do Senhor, o que a faria superior ou no mínimo membro de uma ‘quadrindade’. Isso é uma heresia porque somente Jesus é o nosso mediador (1 Timóteo 2.5).


c) Modificações

Durante a história várias heresias surgiram sobre a Trindade afirmando que não seria um único Deus e sim três deuses separados (Triteísmo), que seria apenas um Deus em três momentos diferentes (Modalismo). Na verdade a doutrina da Trindade afirma que é apenas um Deus manifestado em três pessoas distintas: Pai, Filho e Espírito Santo.

 

4- A Divindade de Cristo

Com certeza, a maior controvérsia a respeito da Trindade é a respeito da Divindade de Jesus e sua preexistência. Se Jesus não fosse o Deus encarnado não poderia ter nos salvado e também não haveria a Trindade. Por isso Jesus disse que se não fosse para o Pai, não poderia envia o Espírito (João 16.5-7).

Durante a história houveram erros de interpretação ensinando que Jesus seria Deus, mas apenas com aparência humana (Docetismo) ou que seria um homem que depois se tornou o Cristo (Adocionismo) e que haveria uma hierarquia onde Jesus seria inferior ao Deus Pai (Arianismo).


a) A Divindade de Cristo no Antigo Testamento

Jesus se manifesta várias vezes como Deus antes de seu nascimento. Em vários textos onde há uma aparição de um Anjo do Senhor, com letra maiúscula, se refere primariamente ao próprio Deus se manifestando (Gênesis 16.7-14; Juízes 6.11).

Gênesis 14.18-20 “Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; era sacerdote do Deus Altíssimo; abençoou ele a Abrão e disse: Bendito seja Abrão pelo Deus Altíssimo, que possui os céus e a terra; e bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus adversários nas tuas mãos. E de tudo lhe deu Abrão o dízimo.”

Melquisedeque é um personagem que apareceu a Abraão, sem linhagem nem origem e nunca mais retornou, por isso o autor aos Hebreus confirma que é uma manifestação do próprio Cristo antes da sua encarnação (Hebreus 7.1-10). Este Melquisedeque pode ser considerado o mesmo que Jesus porque era “sem pai, sem mãe, sem genealogia; que não teve princípio de dias, nem fim de existência, entretanto, feito semelhante ao Filho de Deus), permanece sacerdote perpetuamente” (Hebreus 7.3). Abraão foi o Pai da fé (Romanos 4.11) e entregou o Dízimo para Melquisedeque que lhe entregou o Pão e o vinho, como símbolo da Santa Ceia.

Gênesis 32.29,30 “Tornou Jacó: Dize, rogo-te, como te chamas? Respondeu ele: Por que perguntas pelo meu nome? E o abençoou ali. Àquele lugar chamou Jacó Peniel, pois disse: Vi a Deus face a face, e a minha vida foi salva.”

Jacó lutou com Deus no vau do Jaboque (Gn 32.22-32), embora o texto diga que era um homem (v.24 e 32) também afirma que era Deus (v.30), conforme confirmou o profeta (Oseias 12.3,4). Então se trata de Jesus, o Deus encarnado que se manifestou ao patriarca e ministrou a bênção do Senhor.

Daniel 3.24,25 “Então, o rei Nabucodonosor se espantou, e se levantou depressa, e disse aos seus conselheiros: Não lançamos nós três homens atados dentro do fogo? Responderam ao rei: É verdade, ó rei. Tornou ele e disse: Eu, porém, vejo quatro homens soltos, que andam passeando dentro do fogo, sem nenhum dano; e o aspecto do quarto é semelhante a um filho dos deuses.”

O quarto homem na fornalha de fogo também pode ser considerada uma manifestação de Jesus antes de seu nascimento, provando sua eternidade e Divindade, bem como o propósito do Senhor para a salvação da humanidade.


b) A Divindade de Cristo no Novo Testamento

Textos que afirmam a Divindade de Cristo no Novo Testamento:

João 1.1 e 14 “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.” “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai.”

Jesus é o Verbo de Deus, a Palavra encarnada (logos, Λόγος)** que sempre existiu porque é o “Pai da eternidade” (Isaías 9.6). Jesus foi enviado pelo Pai para a salvação da humanidade (João 20.21).

Colossenses 1.15-19 “Este é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele. Ele é antes de todas as coisas. Nele, tudo subsiste. Ele é a cabeça do corpo, da igreja. Ele é o princípio, o primogênito de entre os mortos, para em todas as coisas ter a primazia, porque aprouve a Deus que, nele, residisse toda a plenitude”

Jesus é o “Deus forte” profetizado em Isaías 9.6. Na Criação do mundo Jesus estava com o Pai criando todas as coisas. Depois Deus enviou o seu Filho Unigênito, único e sem igual, para nos salvar (João 3.16).

I João 5.20 “Também sabemos que o Filho de Deus é vindo e nos tem dado entendimento para reconhecermos o verdadeiro; e estamos no verdadeiro, em seu Filho, Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna.”

Jesus é Deus encarnado “subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana” (Filipenses 2.6.7) e se manifestou entre nós para nos salvar (leia Tito 2.13). Sem Jesus não há salvação.

 

5- A Fórmula da Trindade

Para facilitar a compreensão da Trindade, muitos fazem uma fórmula simples com um desenho de uma pirâmide com Deus acima e nas outras pontas Jesus e o Espírito Santo. Dessa forma é fácil entender, contudo é preciso ir além, explicando quem são cada uma das pessoas.


estudo bíblico Trindade

Assim podemos definir a Trindade:

Deus, o Pai Criador de todas as coisas

Jesus, o Filho Unigênito Salvador do mundo

Espírito Santo, age com sua unção e poder.

Na prática:

Somos salvos por Deus, através de Jesus, por obra do Espírito Santo.

Oramos a Deus, em nome de Jesus sob a direção do Espírito Santo.

 

Creia na Trindade!

CONCLUSÃO

João 10.30 “Eu e o Pai somos um.”

A Trindade revela a essência do Deus único e uno, que nos ama e em seu projeto Salvador enviou o seu Filho ao mundo, derramando sobre nós o Espírito Santo que nos unge com seu poder.

Racionalmente não é fácil compreender a essência de um Deus Trino, mas pela fé podemos verdadeiramente crer e reconhecer o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Esta é uma declaração poderosa que precisamos enfatizar em nossa vida e nos cultos invocando a presença do Deus Triúno.

______________________________

Citações BíblicasBíblia Revista e Atualizada, Sociedade Bíblica do Brasil.

* STRONG, James. Dicionário Grego do Novo Testamento. Bíblia de Estudo Palavras-Chave: Hebraico. Grego. Tradução de João Ferreira de Almeida. Edição Revista e Corrigida. Rio de Janeiro: CPAD, 2011. Verbete 430.

** Idem, verbete 3056. 

Rev. Welfany Nolasco Rodrigues

Pastor Metodista. 44 anos. Casado com Ássima, pai de Heitor e Hadassa. Natural de Muriaé MG. Bacharel em Teologia pela UMESP.

Postagem Anterior Próxima Postagem

 pregações no whatsapp